Wednesday, May 25, 2005

-AEROPORTO pARTE-2

-AEROPORTO/Parte-2-


Não era uma verdade
Quem dera fosse uma mentira sólida, que dera.
Ficou nos nervos quando ela bem disse assim: Ama mesmo?
Depois conversou bastante e chegou a conclusão que esta cagando e andando pra que os outros dizem.
Os outros não dizem nada.
Ficou com medo de pensar que um dia ele pudesse ter medo dela.Ficou angustiada vendo que como uma droga, ela voltou a se afundar nesse mar de problemas.
O que ela gostaria de ter?
O amor dele? Então porque estava agindo dessa maneira?
Parou para pensar sobre tudo isso e ficou com o triplo de medo, mais medo de quando ele disse que não a amava mais. Pensou em todo o mal que poderia ter feito pra esse cara um dia, nesses últimos tempos.
Não poderia justificar tal loucura.
Não poderia ser tão insegura a ponto de deixa-lo preocupado
A ponto de fazer com que ele começasse a odiá-la
Ele não quer odiá-la
Ela não quer ser odiada
(mas não esta sabendo fazer)
Porque será que ela não esta conseguindo fazer?

Reparou.
Olhou de novo pra si mesma
Tinha que ser forte
-Saiba lidar-Um grito vindo de fora, de mansinho.

E agora com essas impressões
Uma nova drogada
Viu que a droga deu bad trip
Esta altamente arrependida
E vai contar os dias no calendário
Os dias que ela não vai poder mais falar com ele

Reparou
Olhou de novo pra si mesma
No mesmo lugar
Aquele mesmo lugar.
No fundo ela não sabe o que quer
Mas queria a ajuda de quem ela mais atrapalhou na vida

Triste destino de alguém que já amou demais
Ela foi amada, não é mais.
Ele foi cercado
E agora, ela luta para tirar a cerca do coração que já não lhe pertence

Vamos para o aeroporto?
Queria mesmo é sumir daqui.

1 comment:

Worm said...

É... como viciadas tentamos fortemente lutar contra essa droga que se chama amor.
Será o amor uma doença incurável?

Vamos dar as mãos e sair correndo daqui em direção... à Icapara!!!

Bjos Florzinha